Um juiz de instrução criminal no Tribunal de Braga aplicou hoje prisão preventiva a quatro dos nove detidos pela GNR por suspeita em furtos em residências e veículos naquele distrito, no de Viana do Castelo e Porto.

Entre os detidos, conta-se um agente da PSP de Ponte de Lima, que ficou sujeito a apresentações periódicas em posto policial e foi suspenso de funções. Um outro arguido ficou em prisão domiciliária.

Os restantes três ficam obrigados a apresentações periódicas no posto policial da sua área de residência.

Os arguidos estão indiciados de associação criminosa e de furto qualificado.

A GNR anunciou hoje, em comunicado, a detenção de oito homens e de uma mulher, no âmbito de uma investigação por furtos em residências e veículos nos distritos de Braga, Porto e Viana do Castelo.

Um dos furtos teve como alvo a residência do cantor popular Delfim Júnior, de Arcos de Valdevez.

Entre domingo e segunda-feira, a GNR realizou 22 buscas domiciliárias e 15 não domiciliárias, entre estas algumas a viaturas e a uma embarcação.

No comunicado, a GNR acrescentou que a operação resultou ainda na apreensão de 14 automóveis, cerca de 300 mil euros e cinco quilos de ouro.

Foram também apreendidos oito motociclos, seis bicicletas, jóias e relógios “de elevado valor”, duas armas de fogo, uma réplica de revólver, munições e aerossóis, telemóveis, computadores portáteis, televisões, quadros de arte, electrodomésticos, dispositivos de comunicação móveis, localizadores GPS e inibidores de frequências.

No âmbito da investigação, desenvolvida pelo Núcleo de Investigação Criminal de Braga, a GNR apurou que os suspeitos vigiavam as vítimas, recolhendo informações dos seus hábitos quotidianos.

A operação foi realizada em colaboração com a Polícia Judiciária e a PSP.