O Tribunal de Amarante condenou três militares da GNR a crimes de ofensa à integridade física e de injúria agravada por alegadas agressões a um homem que se encontrava na urgência do hospital de Amarante.

Segundo informa o Ministério Público, a pena aplicada a cada um dos arguidos foi de 12 meses de prisão e 50 dias de multa, mas os três militares recorreram desta decisão judicial.

Segundo a página da Internet da Procuradoria Geral Distrital do Porto, os factos ocorreram na madrugada de 8 de junho de 2014, quando uma patrulha da GNR acorreu ao hospital devido a alterações da ordem que a vítima, um homem alcoolizado, estaria a provocar.

O tribunal considerou provado que, pouco depois de chegados ao hospital, os militares "levaram a vítima para uma sala anexa às urgências e agrediram-na".

De seguida, terão algemado e introduzido a vítima na viatura policial em que se tinham deslocado, "transportando-a para um monte próximo do novo parque de campismo de Amarante".

Pode ler-se ainda que os três agentes policiais agrediram a vítima e insultaram-na durante o percurso. Nas proximidades do parque de campismo, já fora da viatura, "os militares desferiram bastonadas e pontapés e deixaram a vítima abandonada no local".