“Na sua decisão sumária, o Tribunal da Relação do Porto, decidindo pela rejeição do recurso, afirmou ainda que esta sempre tem em vista moralizar o uso do expediente do recurso e desincentivar o uso deste como instrumento de demora ou de chicana processual”, refere a PGD do Porto.