O Tribunal da Relação de Lisboa confirmou esta quarta-feira a pena de 25 anos de prisão imposta ao homem que provocou a morte de duas mulheres, mãe e filha, e um segurança, em incêndio provocado deliberadamente num elevador em Queluz.

Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, o recurso que tinha sido interposto pela defesa do homicida foi julgado improcedente, mantendo-se a condenação de pena máxima de prisão, proferida a 04 de novembro pelo Juízo de Grande Instância Criminal de Sintra.

O pena de 25 anos de prisão foi aplicada pela prática de três crimes de homicídio qualificado e um crime de incêndio, cometidos a 13 de agosto de 2012, num elevador de um edifício em Queluz, contra duas suas familiares e o segurança destas.

O tribunal de Sintra determinou ainda o pagamento de 2,5 milhões de euros em indemnizações às famílias das vítimas, que morreram queimadas, depois de o arguido deitar álcool no elevador onde seguiam e ter ateado fogo.

O crime provocou a morte da cunhada e sobrinha do arguido, de 70 e 34 anos, respetivamente, e de um segurança, de 34 anos, contratado por uma das mulheres, uma vez que estas já tinham recebido ameaças de morte, na sequência de negócios de familia.