O presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais alertou esta terça-feira que o sistema informático está a funcionar com «dificuldades» e aos «tropelões» nas 12 das 23 comarcas em que o Ministério da Justiça garante que o Citius está operacional.

Confrontado com a informação de que em 12 das 23 comarcas da nova organização judiciária o Citius já está a funcionar, o dirigente da ASJP reconheceu à agência Lusa que nessas comarcas houve transferência eletrónica de processos, mas observou que o sistema ainda está a funcionar aos «tropelões».

«Ainda há muitas deficiências. Há processos que ainda não foram transferidos ou que faltam peças processuais», comentou Fernando Jorge, alegando que o MJ quer transmitir a ideia de que, nessas comarcas, o Citius está «a funcionar bem, mas não está».

O dirigente do SFJ referiu que as pessoas são informadas que nessas comarcas está tudo a funcionar normalmente, deslocam-se aos tribunais e aí constatam que, afinal, há dificuldades para aceder ao processo que pretendem, acabando por barafustar com os oficiais de justiça pelo sucedido.

Entretanto, a adesão hoje à greve dos funcionários judiciais na Comarca de Bragança atingiu os 65 por cento, segundo indicações fornecidas à Lusa pela ASJP.

Tratou-se de mais uma paralisação parcial, que decorre comarca a comarca, até 31 de outubro, e que, com exceção de Bragança, tem vindo a registar uma adesão superior a 85 por cento.

O protesto dos funcionários judiciais, que contou também com um dia de greve nacional em finais de setembro, visa demonstrar a «indignação» e «insatisfação» pelo défice de oficiais de justiça nos tribunais e pela falta de resolução, pelo Ministério da Justiça (MJ), de questões relativas à aposentação e acesso às categorias de chefia por parte destes profissionais.

Existem atualmente em Portugal cerca de 6.500 funcionários judiciais.