Um treinador de futsal de Gondomar, de 65 anos, foi condenado hoje a dez anos de prisão por abuso sexual de quatro rapazes menores, entre 2012 e 2016. 

O julgamento, em que a produção de prova foi feita à porta fechada, arrancou em maio e teve agora este desfecho, com a leitura do acórdão, no Tribunal São João Novo, ao início da tarde desta segunda-feira. 

O homem estava já em prisão preventiva, a medida de coação mais gravosa e estava acusado de 1.775 crimes de abuso sexual de menor, atos sexuais com adolescente e lenocínio de menor. Foi condenado por apenas nove crimes, aqueles que o tribunal considerou haver prova: abuso sexual de crianças, na forma qualificada e simples. 

Terá de pagar uma indemnização às quatro vítimas, que pediram 178 mil euros pelos danos causados, nomeadamente estados depressivos. O juiz presidente condenou-o a pagar menos de metade (73 mil euros).

“Os crimes são muito graves e altamente censuráveis”, vincou o magistrado durante a leitura da decisão judicial.

Ficou também provado que o arguido usava a condição social desfavorecida dos menores para aliciá-los a troco de dinheiro, tabaco e refeições.

Durante todo o julgamento, o arguido não quis prestar declarações e desvalorizou os atos que praticou.

Os crimes foram praticados ao longo de cinco anos em casa do arguido, dado os familiares dos menores confiarem nele.

A defesa já disse que vai recorrer da decisão. A acusação saiu satisfeita com o desfecho do julgamento.