O alegado autor das agressões, no exterior de uma discoteca de Famalicão, a um jovem que acabaria por morrer cinco dias depois vai aguardar julgamento em liberdade, ficando sujeito a termo de identidade e residência, informou hoje fonte policial.

Segundo a fonte, aquela medida de coação foi aplicada, esta quarta-feira, pelo juiz de instrução criminal do Tribunal de Guimarães, estando o arguido indicado pelo crime de ofensa à integridade física, agravada pela morte.

Na quarta-feira, a Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção de um segurança de 40 anos, pela presumível autoria da agressão, ocorrida no exterior de um estabelecimento de diversão noturna em Riba de Ave.

Em comunicado, a PJ adiantou que os factos ocorreram na madrugada de 15 de março e «tiveram origem numa discussão entre clientes da discoteca, na sequência da qual a vítima foi expulsa por funcionários que prestam serviço de segurança naquele espaço».

«Já no exterior, um dos seguranças terá confrontado a vítima, dando-lhe um forte empurrão que provocou a sua queda desamparada no chão, onde ficou inanimada», acrescenta o comunicado.

A vítima, de 23 anos, sofreu um traumatismo cranioencefálico, «em virtude do qual veio a falecer cinco dias depois».