As ossadas de alguns familiares do escritor Camilo Castelo Branco vão ser trasladadas para o cemitério de São Miguel de Seide, em Famalicão, terra onde viveram, durante um encontro, em outubro, sobre a vida e obra do romancista.

O diretor da Casa de Camilo, José Manuel Oliveira, afirmou hoje à Lusa que a 2ª edição dos Encontros Camilianos de São Miguel de Seide, entre 09 e 10 de outubro, vai ficar marcada pela trasladação das ossadas da mulher, filho, neta, nora e pai da nora do romancista para esta freguesia de Vila Nova de Famalicão, em Braga.

Esta iniciativa é realizada pela câmara local que a considera um “ato de justiça” para com a memória de Camilo Castelo Branco, acrescentando que os familiares regressam “à sua terra, ao seu lar e onde foram felizes”.

Camilo Castelo Branco, a seu pedido, está sepultado no jazigo de um amigo, João António de Freitas Fortuna, no cemitério da Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa, Porto, onde permanece.

Além disto, o programa contempla um roteiro cultural e concurso fotográfico no Santuário de Bom Jesus do Monte, Braga, a exibição de uma peça teatral, a antestreia do documentário “Escritores a Norte – Vidas com Obras em Casas d’Escrita: Episódio dedicado a Camilo Castelo Branco” e visita à sua casa-museu.

Durante dois dias, investigadores universitários vão refletir sobre Camilo como, por exemplo, sobre a presença do rio Douro na sua obra, explicou José Manuel Oliveira.

O objetivo dos encontros é “promover o debate e a reflexão interdisciplinar em torno das temáticas camilianas, contribuindo para a melhor divulgação da vida e da obra do romancista”, referiu.

Este ano, os Encontros Camilianos comemoram o 190º aniversário do seu nascimento e os 100 anos sobre o incêndio que destruiu a sua moradia na aldeia de São Miguel de Seide, local onde passou parte significativa da sua vida, apesar de ter nascido em Lisboa.