O diretor geral da Uber em Portugal, Rui Bento, manifestou hoje satisfação face à intenção do Governo de criar um grupo de trabalho para analisar a situação daquela empresa.

“Saudamos o anúncio do Governo para a criação de um grupo de trabalho. É um passo para o enquadramento inovador para a mobilidade”, disse Rui Bento.

Em declarações à Antena 1, o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, anunciou que o Governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar se há necessidade de ajustar a legislação sobre as novas plataformas de transporte.

Desse grupo de trabalho irão fazer parte representantes dos taxistas e autarquias, entre outros.

Rui Bento, em declarações à agência Lusa, disse ter consciência de que a lei portuguesa “carece de regulação” no que respeita à mobilidade.

“Por isso, vemos com bons olhos esse anúncio, na medida em que formaliza a intenção de modernizar a mobilidade nas cidades portuguesas”, acrescentou.

Rui Bento reafirmou que mantém a abertura para participar num “diálogo aberto e construtivo para serem atingidas formas de modernidade da mobilidade” em Portugal, tanto para novas plataformas como para os operadores existentes.

A aplicação informática de transporte Uber opera em mais de 300 cidades em cerca de 60 países.

A Antral - Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros e a FPT - Federação Portuguesa do Táxi, as duas associações representativas do setor do táxi, iniciaram na segunda-feira uma semana de luta para pressionar o Governo a suspender a atividade do serviço de transporte privado Uber, que permite chamar um carro descaracterizado com motorista privado através de uma plataforma informática.