A Polícia Judiciária (PJ) anunciou, esta segunda-feira, a detenção de dois homens, um de nacionalidade estrangeira e outro de nacionalidade portuguesa, por suspeita da prática dos crimes de contrabando e de danos contra a natureza.

Trata-se de dois homens de 53 e 46 anos que se dedicavam ao contrabando de ovos de Arara-de-Lear, uma ave protegida. Os ovos vinham do Brasil, de onde é originária aquela espécie animal, eram introduzidos em Portugal de forma clandestina e depois de nascidas as aves vendiam a intermediários que as revendiam noutros países europeus, acrescenta um comunicado da PJ.

No decurso da operação, foram realizadas sete buscas, domiciliárias e a viaturas, e apreendidas duas Arara-de-Lear, com um valor de mercado de cerca de 75 mil euros, quatro aves de outras espécies protegidas,12 mil euros em dinheiro, duas viaturas e vários documentos falsos.

Os dois homens foram submetidos a primeiro interrogatório judicial, tendo um deles ficado em prisão preventiva e outro sujeito a apresentações periódicas às autoridades policiais.

As aves aves foram encaminhadas para centros de acolhimento especializados.

As detenções foram realizadas pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), no âmbito de um inquérito dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e a investigação contou com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas e também do Destacamento de Trânsito do Porto da Guarda Nacional Republicana.