O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa determinou a prisão preventiva para três arguidos suspeitos do tráfico de cocaína dissimulada em garrafas de cachaça, anunciou esta quarta-feira a procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Os arguidos foram presentes a tribunal no dia 18 deste mês e, de acordo com os indícios recolhidos, importavam garrafas de cachaça do Brasil, em cujo líquido vinha cocaína dissimulada que alegadamente se destinava ao mercado clandestino de droga em Portugal.

Foi assim que a 10 de março foi enviada de Fortaleza, Brasil, uma encomenda postal por via aérea, com 55 volumes de mercadoria identificada como cachaça, com um peso de 950 quilogramas, conta a Lusa.

No interior da mercadoria vinha dissimulada cocaína para cuja extração química fora recrutado no Brasil um dos arguidos que se deslocou a Portugal para fazer essa função.

No dia 14 de maio, quando os três arguidos foram detidos, foram apreendidos 7.489 quilogramas de cocaína acabada de extrair da cachaça.

A investigação prossegue a cargo da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da Polícia Judiciária sob a direção da 1.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.