O presidente do Sindicato da Construção de Portugal anunciou esta terça-feira que vai denunciar à Polícia Judiciária a existência no Norte de «redes mafiosas» que cobram dinheiro para levar trabalhadores para o estrangeiro, «sendo muitos deles lá abandonados».

Em declarações à Lusa, Albano Ribeiro referiu que pretende na quarta-feira denunciar à PJ «nomes de dezenas de empresas de Braga, Vale do Sousa e Cinfães» que prometem emprego - com contrato de trabalho e um ordenado alto - a trabalhadores do setor em países como Canadá, Angola, Bélgica, França e Noruega.

Muitos desses trabalhadores, que pagam «entre 300 a 500 euros» a essas empresas, disse, «são abandonados», não tendo contrato de trabalho e estando «a receber ordenados muito inferiores ao prometido».

Face «à gravidade da situação», acrescentou Albano Ribeiro, «o sindicato vai ser recebido na quarta-feira pelo secretário de Estado das Comunidades, em Lisboa, às 17:00».

Segundo o sindicalista, há «milhares de trabalhadores vítimas destas redes mafiosas».

Albano Ribeiro denunciou ainda a existência de 28 trabalhadores portugueses na Argélia com salários em atraso há três meses.