O psiquiatra Tiago Reis Marques, investigador na área da esquizofrenia, foi distinguido com o prémio de Melhor Jovem Investigador, que será atribuído no domingo no 15º Congresso Internacional de Investigação da Esquizofrenia, que decorre nos Estados Unidos.

Trata-se da primeira vez que um português vence este galardão, o qual «pretende distinguir jovens investigadores que desenvolvem trabalhos de investigação básica ou clínica na área da esquizofrenia e também estimular o desenvolvimento de carreiras científicas focadas nesta doença psiquiátrica».

A investigação premiada de Tiago Reis Marques tenta perceber «de que forma o stress provoca alterações cerebrais na conectividade cerebral e a relação que isso tem com a resposta terapêutica», disse o investigador através de uma nota de imprensa.

O investigador, de 38 anos, que desenvolve a sua atividade no Instituto de Psiquiatria do Kings College, em Londres, onde atualmente leciona, tem-se dedicado à procura de novos alvos terapêuticos, procurando perceber como e onde poderão atuar novos medicamentos para o tratamento das doenças psiquiátricas.

Este prémio é «um reconhecimento perante o trabalho que a equipa com quem trabalho tem vindo a desenvolver na compreensão das doenças psiquiátricas», disse o investigador.

«Pessoalmente, é um importante estímulo para que continue a desenvolver em paralelo uma carreira enquanto médico e investigador», prosseguiu.

O foco da investigação de Tiago Reis Marques é a utilização de dados de neuroimagem, como a ressonância magnética, para a compreensão das doenças psiquiátricas.

Recentemente, Tiago Reis Marques participou num estudo conduzido pelo Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociências do King's College de Londres, o qual concluiu que o consumo de canábis em doses diárias e muito fortes aumenta cinco vezes o risco de psicose.

De acordo com esta investigação, um em cada quatro novos casos de psicose se deve à ingestão diária de canábis de «alta potência».