O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, considerou nesta terça-feira, na Assembleia da República, que "este é o momento certo" para "agir e corrigir o que tiver de ser corrigido" na área de Juventude e Desporto, "e isso é muito".

A estreia na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, do ministro que tutela estas duas últimas áreas foi marcada por algum tom de polémica com deputados da oposição parlamentar, que o acusaram de "reversão" das políticas do anterior governo, bem como de estar a tutelar áreas que não deveriam estar sob a tutela da Educação.

Tiago Brandão Rodrigues esteve acompanhado pelo secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Wengorovius Meneses, nos termos da apreciação da política geral da Secretaria de Estado, a primeira nesta legislatura.

João Almeida, do PP, foi um dos deputados que, além de questionar sobre vários aspetos de política desportiva, acentuou o que considera ser a "perda de transversalidade" da área da Juventude e Desporto, pela sua integração no Ministério da Educação.

"É tão complicado pensar as políticas de juventude quando se é tão velho?", respondeu o ministro, depois de citar "o cantor" (José Afonso) - "pode alguém ser quem não é?".

"Assumimos a intenção de transversalidade, o que denota a importância que lhe damos", garantiu Tiago Brandão Rodrigues, que reforçou que "a escola é o sítio natural para a promoção das políticas de Juventude e Desporto, mas não só".

Pedro Pimpão também considerou que não se está a "privilegiar a transversalidade das políticas de educação" e que os governantes apenas apresentaram "ideias vagas do programa do Governo", sem trazer "nada de novo" à Comissão.

Questionados sobre os números do Orçamento para a Juventude e Desporto, Tiago Brandão Rodrigues e João Wengorovius Meneses preferiram não concretizar, acentuando que "na nova agenda para o Desporto" se pretende "aumentar significativamente a sua prática por todos", apostando na "oferta desportiva de proximidade", ao mesmo tempo que se garante "todo o apoio" à alta competição e aos projetos olímpicos.

A orientação para as Pousadas de Juventude também marcou algum atrito com os deputados da oposição. "No governo anterior, a abordagem era a de liquidação e de concessão. Para nós, revitalizar é fundamental", garantiu João Wengorovius Meneses.

Para Tiago Brandão Rodrigues, "a Movijovem é um 'dossier' pesado, que vai ser reavaliado com caráter de urgência".

"Não faz sentido concessionar pousadas com resultado líquido positivo. Não nos revemos na política do anterior governo, queremos revitalizar os negócios que são as Pousadas da Juventude e aumentar as suas taxas de ocupação", acrescentou.