O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, afirmou esta segunda-feira que vai procurar resolver os problemas da presença de placas de fibrocimento ainda existentes nas escolas, garantindo existir verbas disponíveis.

"O problema do amianto é transversal a muitos dos edifícios públicos. Durante os anos de 2013 e 2014 foi feito o mapeamento das escolas com problemas e foram feitas 300 intervenções para substituir as placas de fibrocimento", disse, durante uma visita à escola secundária da Baixa da Banheira, na Moita.

O ministro referiu que ainda existem casos de escolas com placas de fibrocimento e que estão a procurar soluções.

"Ainda existem casos pontuais. Estamos a sinalizar e a encontrar soluções para resolver o problema. Existem verbas que podem ser canalizadas para resolução de problemas desta natureza", defendeu.

Pais e alunos do Agrupamento de Escolas de Oliveira de Hospital, distrito de Coimbra, ameaçaram hoje fechar a sede da instituição se até à Páscoa não forem retiradas as placas de fibrocimento que ainda existem no estabelecimento escolar.

Numa manhã muito chuvosa, quando se inicia o segundo período letivo, alguns pais e dezenas de alunos manifestaram-se ao início da manhã à porta da sede do agrupamento, muitos deles munidos de máscara, e exigiram a retirada das placas de fibrocimento, que contêm amianto, perigoso para a saúde pública.