A jovem ferida a tiro numa pastelaria do Pinhão, concelho de Alijó, continua internada no Hospital de Santo António, no Porto, em coma profundo e prognóstico muito reservado, disse fonte hospitalar.

A fonte referiu que a mulher foi atingida com duas balas, uma na cabeça e outra na zona da cervical, e que já deu entrada no hospital em coma profundo, encontrando-se internada na unidade de cuidados intensivos com um prognóstico muito reservado.

Esta quarta-feira de manhã, cerca das 07:00, um homem de 38 anos e natural de Baião entrou numa pastelaria no centro do Pinhão e efetuou vários disparos contra duas mulheres, duas primas de 21 e 22 anos, matando a mais velha e ferindo gravemente a mais nova.

As duas mulheres trabalhavam naquele estabelecimento e eram naturais da aldeia de Espinho, concelho de São João da Pesqueira.

O capitão Joni Ferreira, comandante do destacamento da GNR de Peso da Régua, afirmou aos jornalistas que o cenário com que os militares se depararam quando entraram na pastelaria foi de uma vítima mortal e outra mulher que foi transportada para o hospital a «inspirar cuidados médicos urgentes».

Referiu ainda que o suspeito se colocou de imediato em fuga e se entregou às 08:40 na esquadra da PSP de Vila Real e foi detido pela PJ de Vila Real.

Aos polícias, o presumível homicida disse que atirou a arma ao rio na localidade do Pinhão.

Fonte da PJ disse que o homem vai ser presente a primeiro interrogatório no Tribunal de Alijó, na quinta-feira.

O comandante da GNR referiu que o suspeito manteria um relacionamento com uma das vítimas, a mulher de 21 anos que sobreviveu aos disparos e foi transportada para o Hospital de Vila Real, de onde foi transferida para o Porto.

No entanto ressalvou que «só a investigação irá determinar se se tratou de um crime passional».

O suspeito, que trabalhava na construção de muros, já estava referenciado pela GNR por atividades ilícitas não especificadas.