ACTUALIZADA ÀS 15h34

Os fortes ventos que se fizeram sentir, durante a madrugada e manhã desta quinta-feira, provocaram estragos um pouco por todo o país. Árvores caídas em cima de carros, linhas telefónicas destruídas e telhados levantados são alguns dos problemas provocados pelo mau tempo. No aeroporto de Lisboa, foram desviados nove voos, para o Porto e para Faro, por causa do vento forte.

Alentejo

No Alentejo, as rajadas de vento provocaram nove quedas de árvores, sobretudo nas zonas de Évora e Portalegre, avança a agência Lusa, que cita fonte dos bombeiros.

No distrito de Portalegre, os bombeiros foram chamados para remover seis árvores, que caíram nas zonas de Portalegre, Nisa, Castelo de Vide, Ponte de Sor e Elvas, indicou fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

Na zona de Elvas, foi também registada a queda de cabos de linha telefónica. No distrito de Évora, ocorreram três quedas de árvores nos concelhos de Alandroal, Portel e Vila Viçosa, segundo o CDOS. Em vários pontos da região, o forte vento provocou ainda estragos em toldos e placares.

Aveiro

Em Esmoriz, distrito de Aveiro, uma árvore de grande porte caiu sobre três veículos ligeiros e um camião, causando ferimentos no condutor de uma das viaturas. Em declarações à Lusa, o comandante dos Bombeiros Voluntários de Esmoriz explicou que a vítima é taxista e sofreu ferimentos na cabeça e num braço, tendo sido transportado ao Hospital de Santa Maria da Feira.

«O homem ficou encarcerado e foi necessário retirar a árvore de cima da viatura para o conseguirmos auxiliar», acrescentou o comandante Jacinto Oliveira.

Guarda

Na Guarda, cinco automóveis estacionados na via pública foram danificados pela queda de uma árvore. Granja de Sousa, coordenador do serviço municipal de Protecção Civil, disse á Agência Lusa que o vento forte provocou na região queda de árvores, painéis publicitários e estruturas de protecção de obras, causando «danos materiais com algum significado».

Lisboa

Em Lisboa, o vento provocou o desabamento de um telhado num lar de idosos e também a queda de várias árvores, chapas, painéis publicitários e vidros por toda a cidade. A polícia Municipal já fez saber entretanto que a normalidade na cidade já «está restabelecida».

A circulação na rua Marquês Ponte de Lima, no Bairro da Mouraria, em Lisboa ficou normalizada logo ao início da manhã, «não existindo qualquer problema». Uma cobertura que protegia o telhado de uma casa, junto àquela artéria, caiu para as traseiras, no exterior, do Centro Social de São Cristóvão e São Lourenço. O incidente não provocou qualquer alteração à normal actividade do lar de idosos, de acordo com uma das funcionárias daquele centro, contactada pela Lusa no local. Os estragos são apenas materiais, tendo a cobertura ficado espalhada pelo exterior do edifício, além de pequenas amolgadelas em duas viaturas estacionadas na rua.

No Campo Grande, em frente à Universidade Lusófona, dois eucaliptos caíram, «devido ao vento forte», fazendo tombar os semáforos.

Santarém e Leiria

Na região de Santarém, os fortes ventos provocaram também seis quedas de árvores em vários pontos do distrito.

Em Leiria, os bombeiros foram chamados a remover árvores que também caíram nos concelhos de Pombal, Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Batalha.

Ondas de mais de cinco metros na Madeira

A Capitania do Porto do Funchal emitiu um aviso de agitação marítima forte para o arquipélago devido às previsões de ondas com mais de cinco metros na costa norte da região.

O alerta, em vigor até as 6h00 horas de sexta-feira, recomenda às embarcações nas costas norte e sul, a oeste do Funchal, que permaneçam nos portos de abrigo. A ondulação na zona sul da ilha será de sueste entre um a dois metros, sendo a temperatura da água do mar na ordem dos 18 graus centígrados.