O fim de semana vai ser de frio, muito frio mesmo. As temperaturas vão chegar aos 5 graus negativos em algumas zonas do país, o que motivou alertas da Proteção Civil e do INEM.

No seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) realizado pelo Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), prevê-se descida da temperatura e vento intenso para as próximas 48 horas, fatores meteorológicos que irão acentuar o desconforto térmico"

A Proteção Civil adverte que da noite de hoje para amanhã, sábado, 16 de dezembro prevê-se:

  • A diminuição da temperatura mínima para valores situados entre -2 e 2ºC nas regiões do interior norte e centro;
  • A formação de gelo ou geada nas regiões do interior norte e centro.

Durante a noite de sábado para domingo, 17 de dezembro, as temperaturas vão descer ainda mais:

  • valores situados entre -4 e 2ºC nas regiões do interior norte e centro
  • de 1 a 3ºC nas regiões do litoral norte e centro e do interior sul
  • A formação de geada nas regiões do interior (repetindo-se o mesmo na noite de segunda-feira para terça-feira).

Tendo em conta o estado previsível do tempo, a Proteção Civil deixa uma série de recomendações à população:

Evitar a exposição prolongada ao frio e a mudanças de temperatura bruscas
Envergar várias camadas de roupa folgada e adaptada à temperatura ambiente
Proteger as extremidades do corpo com gorro, cachecol, luvas e meias quentes
Ingerir sopas e bebidas quentes e evitar o consumo de bebidas alcoólicas
Usar vestuário adequado por parte de trabalhadores que exerçam atividades ao ar livre e evitar que exerçam esforços excessivos durante as tarefas que realizem
Tomar especial atenção aos equipamentos de combustão (braseiras e lareiras), os quais podem causar intoxicação e conduzir à morte devido à acumulação de monóxido de carbono
Assegurar a adequada ventilação das habitações
Evitar o uso de dispositivos de aquecimento antes de dormir, cuidando de os desligar da corrente antes de deitar
Adotar uma condução defensiva e ter especial atenção aos locais da estrada onde seja suscetível a formação de gelo
Atender aos familiares e vizinhos que possam necessitar de auxílio e apoio, nomeadamente pessoas mais idosas ou em condições de maior isolamento
Dedicar especial atenção aos grupos da população mais vulneráveis, como as crianças, os idosos e as pessoas portadoras de patologias crónicas, bem como os sem-abrigo
Estar atento às informações meteorológicas e aos conselhos e recomendações da Proteção Civil e das Forças de Segurança

O que fazer em caso de hipotermia ou queimadura

Naturalmente que crianças e idosos são "grupos particularmente vulneráveis, mas qualquer um pode ser afetado", como alerta também o INEM, que explica o que fazer em caso de hipotermia e queimaduras motivadas pelo risco extremo.

Hipotermia

Se a temperatura corporal ficar excessivamente baixa, é possível que a pessoa em causa não tenha consciência de que está nesse estado. Idosos, bebés, pessoas que fiquem muito tempo na rua e consumidores de álcool ou drogas são os mais vulneráveis.

Como detetar a hipotermia? Nos adultos, os sintomas vão desde tremores, arrepios de frio e cãibras musculares, nas situações de hipotermia ligeira; a confusão, sonolência, fala mais lenta, ou mesmo perda de consciência, nas situações de hipotermia mais grave.

Nas crianças, pele muito vermelha e fria, para além de um estado de apatia, são sintomas a ter em conta.

Sempre que um adulto ou uma criança apresentarem alterações do estado de consciência como sonolência, apatia ou mesmo perda da consciência, ligue de imediato 112".

Se o caso for de hipotermia mais ligeira, é importante, desde logo, aquecer a pessoa, deslocando-a para um compartimento aquecido e sem correntes de ar. Deve beber bebidas quentes, para ajudar ao aumento da temperatura corporal. Se estiver inconsciente, não dê nunca nada de beber.

Queimaduras pelo frio

Atingem mais frequentemente o nariz, orelhas, bochechas, queixo, dedos das mãos e dos pés e resultam da exposição ao frio intenso por períodos mais ou menos prolongados. As crianças e os idosos são os grupos mais vulneráveis.

Qualquer sinal de vermelhidão ou dor em qualquer zona da pele são avisos para que a pessoa saia do frio e proteja a pele exposta. Área da pele branca ou acinzentada, pele invulgarmente firme ou cerosa, e ainda formigueiro são outros sintomas. 

Se detetar sinais de queimaduras procure ajuda médica. Se existirem queimaduras sem sinais de hipotermia e não existir auxílio médico imediato, Vá para uma divisão aquecida logo que possível, submerja a área afetada em água morna – não quente (a temperatura deverá ser confortável ao toque nas áreas do corpo não afetadas), ou aqueça a área afetada com calor corporal. Não massaje a área queimada pois pode causar mais danos. Não use compressas aquecedoras, ou fontes de calor para aquecer, uma vez que as áreas afetadas estão dormentes e poderão queimar facilmente".