Trinta concelhos dos distritos de Faro, Portalegre, Santarém, Castelo Branco, Guarda, Coimbra e Bragança, alguns destes fortemente afetados por fogos, estão esta segunda-feira em risco ‘máximo’ de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). O mesmo instituto prevê para esta segunda-feira uma descida acentuada das temperaturas em todo o país, que deverá dar tréguas aos bombeiros e às populações.

De acordo com o Instituto, em risco ‘máximo de incêndio estão os concelhos de Monchique, Silves, Tavira e Alcoutim (Faro), Marvão, Nisa e Gavião (Portalegre), Vila Velha de Ródão, Penamacor e Vila de Rei (Castelo Branco), Mação (Santarém), Miranda do Corvo, Lousã, Penacova e Vila Nova de Poiares (Coimbra).

Em risco ‘máximo’ de incêndio estão também os concelhos de Sabugal, Guarda, Manteigas, Seia, Gouveia, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Trancoso, Pinhel e Figueira de Castelo Rodrigo (Guarda), Torre de Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta, Alfândega da Fé, Mogadouro e Vimioso (Bragança).

O IPMA colocou ainda em risco ‘muito elevado’ e ‘elevado’ de incêndio vários concelhos de todos os distritos de Portugal continental, com exceção de Viana do Castelo e Braga.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o ‘reduzido’ e o ‘máximo’.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

 

Chuva regressa ao final da tarde nas zonas mais afetadas

A chuva vai regressar ao território do continente, mas nos distritos mais afetados pelos incêndios prevê-se que caia mais para o final do dia, adiantou à agência Lusa o meteorologista Ricardo Tavares.

De acordo com o IPMA, os distritos de Portalegre, Leiria, Santarém, Coimbra, Castelo Branco, Guarda, Aveiro, Viseu, Porto, Bragança, Braga e Viana do Castelo vão estar sob ‘aviso amarelo’ devido à previsão de chuva, podendo ser por vezes forte e acompanhadas por trovoada.

Este aviso vai estar em vigor entre as 18:00 de hoje e as 06:00 de terça-feira.

Ao longo da manhã e início da tarde vamos ter uma descida da temperatura, mas em termos de precipitação ainda não chegará às regiões afetadas pelos incêndios até à tarde de hoje. Contudo, o vento diminuiu em relação ao dia de ontem [domingo] e vai ser hoje em geral fraco, mas moderado nas terras altas”, adiantou à Lusa o meteorologista do IPMA.

Ricardo Tavares adiantou à Lusa que na segunda e na terça-feira está prevista uma descida de temperatura de entre 10 e 15 graus Celsius em todo o território de Portugal continental.

Segundo Ricardo Tavares, as temperaturas máximas no litoral vão variar entre os 20 e 25 graus Celsius e nas regiões do interior entre os 25 e os 30 graus.

“Para hoje estão previstos 30 graus em Santarém e ontem estiveram 38. Vamos ter uma descida acentuada e para amanhã prevê-se uma temperatura de entre 18 e 25 graus na generalidade do território do continente”, disse.

No que diz respeito à precipitação, Ricardo Tavares adiantou que está prevista em especial para as regiões do Norte e Centro e alguma instabilidade no sul.

Nas regiões do Norte e Centro, em especial no litoral, a precipitação vai tornar-se mais intensa e gradualmente vai estender-se à região do interior, mas mais para o final do dia”, indicou.

Para terça-feira, o IPMA prevê que a precipitação chegue às regiões do interior e sul devido à passagem de uma superfície frontal fria e depois há um interregno sem precipitação de manhã e regressará ao final da tarde.

“A tendência para o resto da semana é de precipitação. Não haverá grandes variações nas temperaturas, poderá subir e descer, mas a tendência é que variem entre os 20 e os 25 graus”, conclui.

Quase 6.000 homens estavam ao início da manhã no terreno a combater as chamas em todo o país, apoiados por cerca de 1.800 veículos.

Segundo os dados disponíveis pelas 07:30 na página da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), são 22 os incêndios mais importantes e o que mais meios mobiliza, com 659 bombeiros, é o que lavra desde o início da manhã de domingo na freguesia de Lousã e Vilarinho, na Lousã (Coimbra).

Os fogos em curso no domingo provocaram pelo menos seis mortos: duas pessoas morreram em Penacova (distrito de Coimbra), uma na Sertã (distrito de Castelo Branco) e duas em Oliveira do Hospital. Uma sexta vítima mortal foi registada em Nelas (Viseu), tratando-se de uma pessoa que estava dada como desaparecida.

Em Nelas, outra pessoa continua desaparecida.

Segundo a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), o alerta vermelho vai manter-se até às 20:00 de hoje, apesar das previsões de chuva.