Há 186 mulheres em Portugal, vítimas de violência doméstica, a usar o chamado «botão de pânico», um sistema de teleassistência equipado com GPS que permite pedir apoio imediato, 24 horas por dia. Trata-se de um sistema de comunicações móveis e de telelocalização, que a vítima aciona se o agressor se aproximar.

O sistema, que as vítimas apelidaram de «botão de pânico», existe há cinco anos e nunca ajudou tantas mulheres como agora. Em 2011, estavam ativos treze sistemas e, em 2012, 47. O serviço é gratuito e garante comunicação 24 horas por dia com técnicos especializados. Está ligado ao Centro de Atendimento Telefónico da Cruz Vermelha, que integra, na sua maioria, psicólogos. São eles que fazem a ligação às autoridades policiais para prestarem auxílio às vítimas, quando o sistema é acionado.

De acordo com o «Diário de Notícias» (DN), é em Lisboa onde o sistema tem sido mais utilizado. Em 2013, foram usados 34 sistemas na região (29% do total no país nesse ano, que chegou aos 117). Fernanda Alves, a procuradora do DIAP responsável pela aplicação da medida, reconhece-lhe inúmeros benefícios: «atenua níveis de ansiedade, aumentando e reforçando o sentimento de proteção e de segurança das vítimas».

«Representa uma segurança para a vítima que está mais fragilizada. Sabe que há sempre alguém que está do outro lado. É uma resposta para situações de emergência», resume a responsável, em declarações ao DN.