Os 103 passageiros do voo da TAP que esta sexta-feira tiveram de regressar a São Tomé e Príncipe deverão viajar no sábado à tarde para Lisboa, após a reparação do avião, disse à Lusa fonte da transportadora aérea.

Um avião da companhia aérea White, fretado pela TAP, foi obrigado a regressar ao aeroporto internacional de São Tomé e Príncipe depois de um pássaro ter entrado num dos motores, de acordo com uma fonte da aviação civil citada pela STP-Press.

Entre os passageiros encontrava-se o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, que passou o Natal naquele país africano, onde a filha trabalha num projeto de conservação de tartarugas.

Segundo o porta-voz da TAP, António Monteiro, o incidente «foi completamente alheio» à companhia.

«A previsão que a White nos dá é que sairá amanhã [sábado] às 15:00», disse à Lusa, explicando que foi necessário enviar pessoal e material técnico para proceder à reparação do avião.

O pessoal no local enviou para Lisboa fotografias dos danos causados no avião pelo embate com o pássaro, o que permitiu estimar o tempo de reparação, mas António Monteiro admite que «este tipo de incidentes às vezes são complicados».

A TAP realiza um voo semanal entre Lisboa e São Tomé e Príncipe. Os aviões de longo curso da TAP não podem voar para o aeroporto internacional de São Tomé e Príncipe porque a pista não comporta o peso das aeronaves, razão pela qual a transportadora freta o avião Airbus 310 à companhia White.

«Há um voo amanhã [sábado] de manhã da Air São Tomé para Lisboa», indicou António Monteiro, explicando que a TAP não tem acordos com essa companhia, pelo que «os passageiros podem comprar bilhetes dessa companhia e depois pedir» a devolução do valor do bilhete à TAP.

O representante garantiu que no local estão funcionários da TAP a «tentar encaminhar as situações», mas em declarações à Lusa, um dos passageiros, Luís Silva, queixou-se de não ter tido qualquer informação por parte da transportadora.

Luís Silva, que viajou integrado num grupo que foi praticar mergulho no ilhéu das Rolas, regressou ao hotel Pestana, onde esteve alojado durante duas noites, sem saber quando poderá regressar a Portugal.

«A TAP não está a dizer o que se está a passar. Ninguém nos explicou nada«, disse, relatando que, quando saiu do aeroporto, o avião da White «continuava no meio da pista».

Este e outros passageiros iam deslocar-se, cerca das 17:00 locais (menos uma hora em Lisboa), aos escritórios da TAP na cidade de São Tomé, a fim de obter mais informações.