Apenas um trabalhador português, dos cerca de 800 que trabalham para a companhia Bernard Matthews, estava nas duas explorações onde foi detectado esta semana o vírus da gripe das aves, confirmou esta sexta-feira o Consulado Geral de Portugal em Londres.

A empresa não quis revelar à agência Lusa o número de portugueses potencialmente afectados, mas adiantou que transmitiu a informação aos serviços consulares.

«Não distinguimos as nacionalidades dos nossos empregados», disse à Lusa uma porta-voz da empresa britânica, uma das maiores na transformação de carne de aves.

Vincou ainda que «o grau de perigo para os trabalhadores é mínimo», pelo que as autoridades sanitárias não recomendaram o tratamento preventivo com a vacina Tamiflu.

Gripe das Aves: vírus detectado no Reino Unido

A companhia confirmou na quinta-feira a existência do vírus de gripe das aves em duas quintas de criação de perús em Suffolk e Norfolk, no sudeste de Inglaterra, onde trabalham cerca de 25 pessoas.

Todavia, as primeiras análises afastaram a hipótese de se tratar as estirpes consideradas mais perigosas, a H5 ou H7, indicou o Ministério da Agricultura britânico.

Por cautela, foram impostas restrições ao movimento de animais enquanto decorrem mais testes, mas não o abate de animais.

As duas quintas avícolas, nas localidades de Yaxham e Ubbeston, não são longe da unidade de transformação de Holton, onde ocorreu o caso mais grave de gripe das aves, em Fevereiro de 2007.

Nessa altura, por se tratar do vírus H5N1, considerado o mais mortal, foi ordenado o abate de cerca de 16 mil perús e dezenas de trabalhadores, incluindo portugueses, foram vacinados com Tamiflu.