Mais de 20% dos estudantes do terceiro ciclo e do secundário fumam e os mais novos são, entre estes, os que mais relatam terem começado a fumar na escola, revela um estudo feito em Coimbra.

Os estudantes mais novos, com idades compreendidas entre os 12 e os 13 anos, são “os que mais relatam ter começado a fumar na escola, sendo a tendência maior nas raparigas”, concluiu um estudo sobre hábitos tabágicos em meio escolar, afirma a Universidade de Coimbra (UC), numa nota hoje divulgada.

De acordo com a investigação, “a grande maioria (79%) de estudantes não fuma” e, entre os 21% de fumadores, “cerca de metade (10,2%) fá-lo regularmente, consumindo em média meio maço de cigarros por dia”.

Desenvolvido pela delegação em Coimbra da Fundação Portuguesa do Pulmão (FPP) e pelo Laboratório de Bioestatística e Informática Médica (LBIM) da Faculdade de Medicina da UC (FMUC), o estudo  a que a Lusa teve acesso envolveu 3.289 alunos (1.584 do sexo masculino e 1.705 do sexo feminino) do terceiro ciclo do ensino básico (7º, 8º e 9º anos de escolaridade)e do ensino secundário (10º, 11º e 12º anos) de vinte escolas do concelho de Coimbra.

Os resultados do inquérito, aprovado pelo Ministério da Educação e Ciência, que também avalia o conhecimento dos alunos relativamente à relação entre doenças pulmonares e o tabaco, vão ser apresentados terça-feira, 17 de novembro, no âmbito da III Semana do Pulmão.

As conclusões da pesquisa alertam, designadamente, para “a necessidade de se apostar em campanhas de sensibilização nas escolas sobre os malefícios do tabaco” e de “sensibilizar os pais para esta realidade, dado que a maioria dos alunos fumadores (51,9%) diz que os pais fumam em casa”, salienta João Rui de Almeida, presidente da FPP em Coimbra.

“Este estudo revela ainda que é nas escolas que os alunos mais jovens (12-13 anos) começam a fumar”, adverte aquele responsável.


Francisco Caramelo, coordenador da equipa do LBIM que realizou a análise dos dados, sublinhou, por seu lado, o facto de se observar nestes alunos "um padrão de crescimento do número de fumadores com a idade”.

O fenómeno significa que “existe um efeito cumulativo, ou seja, quem começa a fumar dificilmente deixa de o fazer, e a probabilidade de fumar aumenta cerca de 1,5 vezes por cada ano”, adiantou Francisco Caramelo.

A maioria dos alunos fumadores (51,9%) refere ter familiares na sua residência que fumam, mas esta percentagem desce (para 40, 6%) no caso dos não fumadores, notando-se que há “uma grande prevalência de alunos fumadores passivos”.

Embora a generalidade dos alunos, 95,8%, afirma ter consciência dos malefícios do tabaco, só 57,9% dos fumadores revelou que gostaria de deixar de fumar, refere a nota da UC.