Mais de metade dos condutores fumadores inquiridos num estudo admitiram fumar dentro do carro e apenas 10% afirma ter estado num automóvel com crianças, jovens ou idosos e alguém a fumar.

O estudo “Carros sem fumo”, promovido pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP), decorreu entre 29 de agosto e 7 de setembro e envolveu 625 famílias de todo o país com pelo menos um carro.

As conclusões do estudo, a que a agência Lusa teve acesso, referem que “ainda há um grande desconhecimento sobre os malefícios do tabaco” e que em cerca de um terço dos lares inquiridos há fumadores.

Segundo o estudo, 90% dos inquiridos desconhece que o nível médio de partículas tóxicas libertadas pelo tabaco e respiradas numa viagem de carro é cinco vezes superior à média das partículas tóxicas no ar, mesmo em cidades muito poluídas.

Apenas 20% dos inquiridos sabe que 85% do fumo passivo é invisível e sem odor e mais de metade dos fumadores admitem fumar no carro.

Mais de 10% do total dos inquiridos afirma ter-se deslocado pelo menos uma vez nos 30 dias anteriores numa viatura em que estivesse alguém a fumar na presença de uma criança, adolescente, jovem ou idoso.

O estudo levou à realização da campanha “Carros sem fumo”, que é lançada hoje pelo ACP e pela Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) na Escola Básica António Rebelo de Andrade, em Oeiras.

Após a realização do estudo, as duas organizações concluíram que ainda “há muito trabalho que pode e deve ser feito no que respeita à educação e sensibilização dos portugueses em torno dos hábitos de consumo de tabaco, em particular quando se deslocam de carro”.

Em declarações à Lusa, o presidente da LPCC, Vítor Veloso, lembrou que todos os anos morrem no mundo 600 milhões de pessoas devido ao tabagismo, 600 mil dos quais por serem fumadores passivos.

Vítor Veloso explicou que cada cigarro contém mais de 4.800 substâncias químicas nocivas, sendo que destas, 60 são potencialmente causadoras de cancro.

“Se considerarmos que 85% do fumo passivo é invisível e inodoro, facilmente se percebe que fumar no interior do carro é um ato que se perpetua muito para lá dos breves minutos de consumo”, frisou.

Por esta razão, Vítor Veloso considerou que “fumar dentro do carro é quase mais perigoso do que falar ao telefone”, defendendo que esta prática devia “ser proibida” em Portugal, como já acontece em outros países, como o Reino Unido ou a Finlândia.

Esta posição não é partilhada pelo presidente do ACP, Carlos Barbosa, por considerar que se trata de uma decisão que cabe às pessoas.

“Sou muito liberal no que diz respeito à liberdade das pessoas. Acho que as pessoas têm de ser conscientes daquilo que devem ou não fazer. Obviamente se sabem que fazem mal aos seus próximos, aos seus filhos, aos seus netos não devem fumar”, disse Carlos Barbosa à Lusa.

Carlos Barbosa adiantou que a associação fez este estudo para “provar às pessoas que fumar dentro do carro provoca cancro” devido às partículas tóxicas que permanecem no interior do automóvel.

A campanha surge para “sensibilizar as pessoas que não devem fumar dentro dos carros, independentemente de estarem acompanhados ou estarem sozinhos”, adiantou Carlos Barbosa.

Esta ação será levada a todo o país através de ações de sensibilização nas escolas, com a distribuição de 100 mil folhetos e autocolantes para carros nas escolas do ensino básico e ainda através dos canais de comunicação do ACP e da LPCC, focando-se nas crianças como veículos influenciadores junto dos pais.

É seguro entrar num espaço onde alguém tenha fumado?

Dois em cada três inquiridos num estudo sabem que não é seguro entrar num espaço onde alguém tenha fumado, mesmo após desaparecer o fumo e o cheiro.

Segundo a investigação, são os fumadores, as mulheres e os cidadãos com idades entre os 25 e os 34 anos, os que mais referem a quantidade de químicos que tem o fumo do tabaco.

Entre os que identificam o número de químicos cancerígenos no fumo destacam-se os fumadores com idades entre 25 e os 44 anos, residentes na região Sul, refere o estudo, que é divulgado hoje em Lisboa.

O estudo lembra que o nível médio de partículas tóxicas libertadas pelo tabaco e respiradas numa viagem de carro é cinco vezes superior à média das partículas tóxicas no ar, mesmo em cidades muito poluídas.

Refere ainda que o fumo do tabaco contém mais de 4.800 químicos e que 85% do fumo passivo é invisível e inodoro, permanecendo por muito tempo no interior das viaturas e das casas.

A investigação revelou que 80% dos entrevistados (80%) sabem que não é seguro circular num carro onde alguém tenha fumado, mesmo com as janelas abertas, e que 77% têm conhecimento de que as crianças são “as mais vulneráveis ao fumo passivo”.

Outra das conclusões do estudo aponta que os fumadores tendem mais a andar de carro com outros fumadores do que aqueles que não fumam.

Traçando o perfil dos entrevistados, o estudo indica que são maioritariamente homens, vivem em agregados familiares com duas ou três pessoas e têm carta de condução.

A maioria (78%) não fuma, 48% dos quais nunca fumaram e 30% deixaram de fumar.

O hábito de fumar dentro de casa (85%), no carro (80%) ou no trabalho (75%) é pouco comum entre os inquiridos.

Quando questionados sobre assuntos específicos sobre o tema malefícios do fumo do tabaco dentro de automóvel, verificou-se que há um “desconhecimento geral sobre o tema”, com nenhum entrevistado a responder corretamente às oito questões colocadas.

Relativamente ao uso de automóvel, o estudo indica que 75% o utilizaram diariamente no último mês, percorrendo mais de 500 quilómetros (58%).

No último mês a maioria dos condutores viajou sozinha. Em 32% dos casos transportaram crianças (com idades entre os 2 e os 12 anos) e 25% também transportaram idosos.

Os não condutores representam 5% da amostra. Três em cada quatro são homens, pertencem a agregados familiares constituídos por uma ou duas pessoas e são não fumadores.

Habitualmente deslocam-se a pé (62%) ou de transportes públicos (50% utilizam autocarro e 24% o metro).

São utilizadores pouco frequentes de carro: 70% fizeram-no entre um e dez dias no último mês, percorrendo menos de 50 quilómetros (71%).

O estudo levou à criação do projeto “Carros sem fumo”, que visa a sensibilização dos portugueses para um comportamento responsável relativamente ao consumo do tabaco em deslocações de automóvel, com especial preocupação sobre o seu impacto em crianças e idosos.