O secretário de Estado das Florestas anunciou hoje um «reforço» orçamental para substituir 25 viaturas dos sapadores florestais e apontou como objetivo até 2020 formar 500 equipas daqueles profissionais, sendo que atualmente existem cerca de 260.

Em Braga, à margem do VI Encontro Nacional de Sapadores Florestais, Francisco Gomes da Silva revelou ainda um «acréscimo» de cerca de três milhões de euros no Orçamento do Estado inicialmente previsto para o Fundo Florestal Permanente.

Para o presidente da Associação de Defesa da Floresta do Minho, José Lobato, também presente no evento, estas medidas «satisfazem», mas «ainda há muito trabalho» a fazer, apontando como exemplo que no Minho se trabalha com metade das equipas de necessárias.

Para Gomes da Silva, o número de equipas de sapadores florestais a atuar no território nacional, cerca de 260, não é suficiente, pelo que apontou que «até 2020 o objetivo é atingir as 500 equipas» operacionais.

«Não só não temos ainda o número de equipas de que gostaríamos como temos algumas equipas que gostaríamos de ver equipadas», admitiu, citado pela Lusa, revelando medidas no sentido de reforçar as unidades já existentes a nível de meios.

«Foi possível conseguir, este ano, desbloquear uma verba para proceder ao reequipamento. Previmos substituir 25 viaturas, e equipar as equipas, todas, com equipamento para proteção individual e equipamentos de trabalho», anunciou Gomes da Silva.

O governante referiu que o reequipamento anunciado é fruto de um «esforço» do ministério da Agricultura que «conseguiu» um reforço de verbas no Orçamento de Estado, cerca de três milhões de euros, para o setor das florestas.

Uns 2,25 milhões de euros são destinados ao reequipamento das equipas de sapadores e uma outra parcela «para acelerar o ritmo de implementação da rede primária contra incêndios», explanou.

Medidas que agradaram ao responsável por uma das associações de defesa da floresta do Minho, mas que não são suficientes.

«Há um conjunto de medidas que nos satisfazem mas estão aquém ainda. Há muito trabalho para fazer daí apontarmos a necessidade de mais equipas de sapadores florestais», apontou.

Alias, questionado se as equipas de sapadores florestais a operar no Minho são suficientes, Lobato admitiu que não. «O ideal era o dobro», disse, notand que atualmente existem 15 equipas operacionais na área.

As equipas de sapadores florestais, com cinco elementos cada, foram criadas há 15 anos.