Submarinos: decisão sobre cônsul só após averiguação de denúncias

Jurgen Adolff indiciado por tráfico de influências e corrupção

Por: Redação    |   31 de Março de 2010 às 21:12
O ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, disse esta quarta-feira à Lusa que o Governo tomará uma decisão definitiva sobre o cônsul honorário de Portugal em Munique, suspeito de envolvimento no caso dos submarinos, após a averiguação das denúncias.

Luís Amado ressaltou ainda que o Governo português, assim que foi informado pelas autoridades alemãs de que havia um processo de investigação em curso por parte do Ministério Público, decidiu imediatamente suspender as actividades de Jurgen Adolff.

«Os representantes do Estado português devem estar acima de qualquer suspeita», justificou Amado, que participa em Brasília na reunião do Conselho dos Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O governo alemão informou a embaixada portuguesa em Berlim de que o cônsul honorário em Munique foi indiciado por tráfico de influências e corrupção, no âmbito da investigação à empresa alemã Ferrostaal.

Segundo a revista alemã «Der Spiegel», um cônsul honorário de Portugal, que não identifica, terá recebido um suborno de 1,6 milhões de euros da Ferrostaal para ajudar a concretizar a compra de dois submarinos pelo Estado português em 2004.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Submarino nuclear
Submarino nuclear
COMENTÁRIOS

PUB
Governo grego diz que não procura «inimigos externos»

Fontes governamentais gregas salientaram que Tsipras, no seu discurso, apenas quis explicar com detalhe ao povo grego a «negociação dura de um Eurogrupo decisivo que acabou em acordo». Este domingo, os governos português e espanhol reagiram às declarações de Alexis Tsipras de que Portugal e Espanha formaram «eixo» anti-grego que tentou «derrubar o governo do Syriza» e fazer fracassar as negociações com o Eurogrupo sobre a dívida grega. Bruxelas já afirmou estar «a par do descontentamento» ibérico, mas prefere não fazer comentários