logotipo tvi24

Submarinos: decisão sobre cônsul só após averiguação de denúncias

Jurgen Adolff indiciado por tráfico de influências e corrupção

Por: Redacção    |   2010-03-31 21:12

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, disse esta quarta-feira à Lusa que o Governo tomará uma decisão definitiva sobre o cônsul honorário de Portugal em Munique, suspeito de envolvimento no caso dos submarinos, após a averiguação das denúncias.

Luís Amado ressaltou ainda que o Governo português, assim que foi informado pelas autoridades alemãs de que havia um processo de investigação em curso por parte do Ministério Público, decidiu imediatamente suspender as actividades de Jurgen Adolff.

«Os representantes do Estado português devem estar acima de qualquer suspeita», justificou Amado, que participa em Brasília na reunião do Conselho dos Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O governo alemão informou a embaixada portuguesa em Berlim de que o cônsul honorário em Munique foi indiciado por tráfico de influências e corrupção, no âmbito da investigação à empresa alemã Ferrostaal.

Segundo a revista alemã «Der Spiegel», um cônsul honorário de Portugal, que não identifica, terá recebido um suborno de 1,6 milhões de euros da Ferrostaal para ajudar a concretizar a compra de dois submarinos pelo Estado português em 2004.

Partilhar
EM BAIXO: Submarino nuclear
Submarino nuclear

Estátua de D. Afonso Henriques vandalizada
Jovem suspeito já foi detido e será levado a tribunal
Nova lei de proteção de direitos de autor publicada em Diário da República
Diploma inclui uma compensação monetária sobre suportes digitais como «smartphones», «tablets», «pens», entre outros
Pescador desaparecido no rio Tejo
Operação de busca está a decorrer desde as 10:20 com 12 operacionais e duas embarcações no local
EM MANCHETE
«A Rússia não deve subestimar a Europa»
Durão Barroso quer encontrar uma solução definitiva para a crise na Ucrânia, antes que se chegue a um «ponto sem retorno»
Beneficiários que recuperaram RSI aumentaram 1000%
«Não vai nascer uma alternativa de esquerda»