O corpo da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen, que é trasladado no dia 02 de julho para o Panteão Nacional, ficará na sala em que se encontram o general Humberto Delgado e o escritor Aquilino Ribeiro.

A diretora do Panteão Nacional, Isabel de Melo, disse à Lusa que o programa da trasladação está a ser definido pela respetiva comissão de trabalho com a família da poetisa, cujo corpo «ficará numa arca tumular na mesma sala onde estão o general Humberto Delgado e o escritor Aquilino Ribeiro».

A 02 de julho completam-se precisamente dez anos sobre a morte da autora de, entre outras obras, «O Cristo Cigano», «Coral» e «O Búzio de Cós».

Contactada pela Lusa, uma fonte parlamentar ligada ao processo da trasladação do corpo da poetisa afirmou que «os detalhes do programa estão ainda a ser estudados com a família».

O percurso sairá do Cemitério de Carnide, em Lisboa, em direção ao Panteão Nacional, e incluirá a passagem pela Capela do Rato, onde será celebrada uma missa, e pela Assembleia da República.

No Panteão Nacional, está previsto uma atuação da Companhia Nacional de Bailado e do Coro do Teatro Nacional de São Carlos e José Manuel dos Santos, diretor cultural da Fundação EDP e amigo da família da escritora, usará da palavra na cerimónia.

Em fevereiro último, a Assembleia da República aprovou por unanimidade a concessão de honras de Panteão Nacional à poetisa e a criação de um grupo de trabalho para determinar a data e o programa da trasladação.

Na resolução aprovada, os deputados afirmaram que a trasladação é uma forma de homenagear «a escritora universal, a mulher digna, a cidadã corajosa, a portuguesa insigne» e evocar «o seu exemplo de fidelidade aos valores da liberdade e da justiça».

Sustentando a decisão da trasladação, os deputados afirmaram que para Sophia de Mello Breyner Andresen «a intervenção política fez-se sempre por imperativos morais e poéticos».

A escritora foi cofundadora da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, durante a ditadura, e após o 25 de Abril de 1974 foi eleita deputada à Assembleia Constituinte nas listas do PS.

Sophia de Mello Breyner Andresen foi condecorada em 1981 com o grau de Grã Oficial da Ordem de Sant'Iago e Espada, em 1987, com a Grã Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e, no ano seguinte, com a Grã Cruz da Ordem de Sant'Iago e Espada.

O Prémio Rainha Sofia de Espanha, em 2003, foi o último galardão que recebeu em vida, de uma lista de 12, iniciada em 1964, quando recebeu o Grande Prémio de Poesia da Sociedade Portuguesa de Escritores pelo livro «Canto sexto».

Em 1977, «O nome das coisas» vale-lhe o Prémio Teixeira de Pascoaes e, em 1984, a Associação Internacional de Críticos Literários entregou-lhe o Prémio da Crítica pela totalidade da obra. Em 1992, voltou a ser premiada pela totalidade da obra, desta feita, com o Grande Prémio Calouste Gulbenkian para Crianças.

A autora escreveu para livros o público infanto-juvenil, entre outros, «A menina do mar» (1958), «A Fada Oriana »(1958), «A noite de Natal» (1959) e «O Cavaleiro da Dinamarca» (1964).

Em 1999 recebeu o Prémio Camões. Na altura, na cerimónia de entrega, o Presidente da República Jorge Sampaio salientou a «beleza tão alta e exata» que fez da sua obra, considerando-a «uma das criações em que nos revemos e de que nos orgulhamos».