Em resposta a uma pergunta da TVI sobre os pedidos de roupa quente do ex-primeiro-ministro, o advogado João Araújo respondeu: «Ninguém está em boas condições humanas metido numa prisão, nenhumas condições são aceitáveis».

Irritado com os jornalistas, o advogado de José Sócrates não especificou a data em que o recurso para o Tribunal da Relação será entregue, dizendo apenas que «o recurso será entregue conforme eu disse».

«O recurso será entregue conforme eu disse [quando estiver pronto] e, quando for entregue, os senhores terão conhecimento não só de que eu o entreguei, como terão conhecimento do recurso».

Tal como na semana passada, o causídico voltou hoje a estar acompanhado por outro advogado, que se identificou à porta da prisão como Pedro Pulido.

Sobre a disposição de José Sócrates, João Araújo declarou sempre que o «engenheiro está muito bem». «O engenheiro José Sócrates está sempre muito animado, eu é que me começo a enxofrar», disse.

O advogado criticou ainda as informações veiculadas no Correio da Manhã desta sexta-feira, que fez manchete com a informação: «Amigo de Sócrates financia casa de Fava», dizendo que «foi uma vigarice». 

Na semana passada, João Araújo tinha dito que ia avançar com o recurso da prisão preventiva, mas questionado hoje pelos jornalistas sobre se já sabia qual o dia concreto, limitou-se a acrescentar que dependia de quando estivesse pronto.

A 21 de novembro último, o antigo líder do PS foi detido e, após interrogatório judicial, ficou em prisão preventiva, por o juiz considerar existir perigo de fuga e de perturbação da recolha e da conservação da prova.

Está indiciado dos crimes de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada num processo que envolve outros arguidos, incluindo o empresário e seu amigo de longa data Carlos Santos Silva, também em prisão preventiva.