O Ministério Público anunciou ter deduzido acusação contra dois homens e uma mulher pela alegada prática, em coautoria, de um crime de homicídio qualificado e outro de profanação de cadáver, no concelho de Paredes.

De acordo com a acusação, a arguida é filha de um dos arguidos e companheira de outro, para além de ter sido companheira da vítima durante sete anos, até maio de 2013.

O Ministério Público considerou indiciado que "a vítima, apesar de separada da arguida, a perseguia e lhe rondava a casa, procurando controlar os seus passos e com quem andava".

No dia 1 de outubro de 2015, terá chegado a perseguir a arguida de carro e a ameaçá-la de morte.

Na investigação, a acusação indiciou que a arguida, o seu pai e o seu companheiro de então, decidiram matar a vítima, atraindo-o previamente a uma emboscada. O plano terá sido concretizado na madrugada de 4 de outubro de 2015.

A vítima foi atraída à freguesia de Sobreira, Paredes, por um telefonema da arguida, a pretexto de um encontro. Terá sido nesse momento que os arguidos desferiram golpes e pancadas no corpo da vítima com uma machada, uma faca e outro objeto pontiagudo, provocando a morte.

De acordo com a acusação, depois da alegada prática dos factos, "os arguidos livraram-se do cadáver metendo-o num saco e atirando-o ao rio, na ponte de Senande, Aguiar de Sousa, ainda no concelho de Paredes.

Todos os arguidos aguardam julgamento em prisão preventiva.

Agindo em representação do filho menor da arguida e da vítima, o Ministério Público deduziu um pedido de indemnização civil contra os três acusados.