Desde segunda-feira que está a verificar-se um “incremento da atividade sísmica” ao largo da Graciosa. A informação é da Proteção Civil dos Açores que ressalvou, no entanto, que nenhum evento sísmico foi sentido pela população. Contudo, o centro responsável pela vigilância sismovulcânica admite que possa ocorrer um sismo de "maior magnitude", que seja sentido pela população. 

As autoridades adiantam que foram já registados 38 eventos, todos de baixa magnitude, tendo o mais forte ocorrido às 12:45 locais de segunda-feira, com magnitude 2 na escala de Richter.

Não há informação de qualquer evento ter sido sentido pelas pessoas, mas o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) continua a acompanhar o evoluir da situação, emitindo novos comunicados caso necessário.

A presidente do CIVISA, Teresa Ferreira, explicou à agência Lusa que sublinhou que se trata de "uma sismicidade caracterizada por apresentar baixa magnitude". "A distância a que se localiza da ilha Graciosa faz com que nenhum destes sismos tivesse sido sentido pela população", assegurou.

Porém, assumiu que pode acontecer um sismo de "maior magnitude" que venha a ser sentido pela população. "Mas, a noite foi bastante mais tranquila e há apenas a registar mais um evento ao longo das últimas horas".

O incremento da atividade sísmica está a acontecer numa região epicentral localizada no mar, entre 18 e 20 quilómetros a este/sueste da freguesia da Praia, na ilha Graciosa.

Diariamente é registada no arquipélago dos Açores sismicidade ao longo de um segmento que abrange principalmente os grupos central (Terceira, Faial, Pico, São Jorge e Graciosa) e oriental (São Miguel e Santa Maria)".