O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, adiantou à TVI24 que “são 14 os portugueses no Nepal” e que até ao momento “estão todos bem”. Destes fazem parte o grupo de quatro montanhistas, confirmou o governante, adiantando, no entanto, que pode haver mais portugueses na região.

“Temos 14 casos identificados, estão todos bem, mas pode haver mais”, disse José Cesário à TVI24.


O secretário de Estado adiantou que a informação apurada é que “não há indicação de que algum esteja ferido”, no entanto, em alguns casos ainda estão a ser apuradas mais informações.

“Até ao momento, conseguimos identificar 14 portugueses. Ainda estamos a tentar confirmar a lista. Não sabemos se há uma outra pessoa duplicada na lista, temos de confirmar, mas tudo leva a crer que serão catorze e que algumas já terão saído do país através da Índia”, disse José Cesário.

Dos 14 portugueses identificados estão portugueses que foram para região em turismo, outros em missões de intervenção de empresas e ainda um caso de um  português que está a colaborar com uma ONG.

“São na maioria homens”, precisou o governante.

José Cesário confirmou ainda que os quatro montanhistas que estão numa expedição fazem parte do grupo de portugueses que foram identificados pelas autoridades nacionais, mas que há suspeitas de que estejam mais montanhistas nas áreas afetadas.

“Não sabemos se são quatro ou cinco, isto é, podem ser mais nos Himalaias”, disse.


O secretário de Estado explicou ainda que podem também estar mais portugueses, no Nepal, uma vez que não existe representação diplomática no país e os portugueses no local não estão “inscritos”. O governante adiantou ainda que "em casos extremos" Portugal pode ajudar na saída do país. 

“Estamos a tentar contactar todos os portugueses pelas vias possíveis. Estamos a tentar perceber se eles têm documentos. Se têm forma de sair e, em casos extremos, vamos apoiar a sua saída do país”, frisou.

Luís Almeida, um dos quatro portugueses que está nos Himalaias há uma semana numa expedição, disse esta segunda-feira que "estão todos bem", apesar das dificuldades causadas pelo sismo no Nepal, que causou até  mais de 3.600 mortos e 6.500 feridos.