Um ciclista esteve esta terça-feira envolvido num acidente com um carro da GNR no centro da vila de Sintra. O homem terá sido “abalroado” por “não ter respeitado” as regras de circulação numa rua de trânsito proibido. Na esquadra, de acordo com a versão contada pelo próprio, viu o telemóvel confiscado e as fotos do acidente apagadas.

A história foi partilhada pelo próprio ciclista, Daniel Coelho, no Facebook, acompanhada de fotografias, numa publicação que conta já com mais de 1000 partilhas e que está a indignar os internautas.

Fui abalroado na vila de Sintra hoje, terça-feira, 24 de julho, pelas 18h40, por um carro da GNR que me vinha a perseguir por supostamente circular onde não podia. Facto errado, pelo que se comprova na foto”, começa por contar o ciclista na publicação na rede social.

De acordo com declarações de Daniel Coelho à TVI, tudo começou quando um carro da GNR “em sentido contrário” fez sinal no momento em que se cruzaram naquela rua.

Acenou-me e eu pensei: ‘deve ser para abrandar por causa dos turistas’. Abrandei”, afirmou o homem.

Depois, comecei a sentir um veículo por trás que buzinou com o som de emergência e eu encostei pensando que era uma emergência”, contou Daniel. “Mais à frente, à direita, onde há outro sinal de proibição, exceto para bicicletas, virei”.

Parecia que o carro tinha abrandado, mas começou a acelerar com sirenes, eu encostei-me mais à berma, a viatura da GNR pôs-se ao meu lado e abalroou-me”, disse o ciclista acerca do momento em que se deu o acidente.

O agente saiu do carro alegando que eu não tinha respeitado as indicações e não podia estar ali. Eu comecei a tirar fotografias ao aparato e alegaram que eu estava a cometer outro crime”, sublinhou.

Daniel Coelho afirmou que foi levado até à esquadra, a cerca de “100 metros do local” do acidente, onde lhe “confiscaram o telemóvel” num período “de mais de uma hora e meia”, altura em que “apagaram as fotos todas, até no Facebook duas publicações que tinha feito”.

Ao fim de mais de duas horas saiu da esquadra, onde esteve com quatro agentes, “com três multas, duas por ter passado em duas passadeiras e não ter parado”, disse, sublinhado que “é mentira”.

Contactada pela TVI, a GNR disse que “o comandante do destacamento já foi questionado” e a “participação do acidente já foi feita”. Quanto às acusações do ciclista, ainda não se pronunciou e não foram dados mais esclarecimentos acerca do acidente.