Para além dos números, fica o alerta: a gripe está a fazer das suas este ano, com mais casos e mais graves. Entre 28 de novembro e 4 de dezembro, a taxa de incidência gripal foi de 30 por 100 mil habitantes, com tendência crescente.

Este ano, já foram internadas dez pessoas nos cuidados intensivos com complicações desencadeadas pela gripe. Há um ano, por esta altura, não se registava qualquer caso.

De acordo com o Boletim de Vigilância Epidemiológica, divulgado pelo Instituto Nacional Ricardo Jorge, o vírus dominante continua a ser o AH3, historicamente associado a um maior aumento da mortalidade, sobretudo entre a população idosa.

A epidemia continua, no entanto, numa fase de baixa intensidade.

A vacina é sempre recomendada, até porque se trata da forma mais eficaz de prevenir o contágio e diminuir o risco de complicações, em particular nas pessoas mais vulneráveis como os idosos e os doentes crónicos.

Ontem foi divulgado um balanço: mais de 1,3 milhões de portugueses com mais de 65 anos vacinaram-se contra a gripe sazonal, de acordo com os resultados da 8ª Edição do Vacinómetro, que monitoriza a vacinação contra esta doença em grupos prioritários.