O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos mostrou-se este sábado convencido de que há matéria suficiente nas declarações do juiz Carlos Alexandre para que a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) abra um inquérito já na segunda-feira.

“Há ali uma série de insinuações que me parecem graves, sobretudo vindas de um juiz”, disse Paulo Ralha, em declarações à RTP 1, acrescentando julgar que a Autoridade Tributária e Aduaneira, “por si só, com base nesta entrevista, segunda-feira vá iniciar um processo de inquérito”.

Em causa estão declarações do juiz do Tribunal Central de Instrução Carlos Alexandre que, numa entrevista publicada este sábado no jornal Expresso, refere que a Autoridade Tributária e Aduaneira "em virtude de a certa altura ter chegado à conclusão" que a sua declaração de impostos era declarada tardiamente - em agosto em vez de julho -, fez comparecer perante a sua mulher uma equipa de inspetores.

"Um juiz tem todo o poder para mandar ver o que se passa relativamente a essa situação e se julga que foi escrutinado de forma errada deve denunciar essa situação”, sustentou Paulo Ralha.

Por isso, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos está convencido de que, com base nesta entrevista, a Autoridade Tributária e Aduaneira vá iniciar, na segunda-feira, um processo de inquérito.

“O que nós apelávamos é que o processo de inquérito fosse rápido e as conclusões fossem tornadas públicas”, concluiu o sindicalista.