Silva Carvalho, o ex-espião português mais conhecido de sempre, que abandonou os serviços secretos e foi trabalhar para uma empresa provada, vai receber uma indemnização de 100 mil euros do Estado.

Os juízes do Supremo Tribunal Administrativo, numa decisão a que o DN teve acesso, entendem que Silva Carvalho tem direito a uma indemnização de 100 mil euros,

O montante resulta da soma dos vencimentos enquanto espião (3 364,14 euros), desde o momento em que terminou a licença sem vencimento, em 2012, até fevereiro, altura em que foi contratado para CEO de uma empresa privada.

Este acórdão vem na sequência de um recurso apresentado pelo Ministério das Finanças a Presidência do Conselho de Ministros a contestar uma sentença deste mesmo tribunal superior, que também favorável a Silva Carvalho, mas cujo montante ainda era superior.

O Governo sempre recusou assumir as pretensões de Silva Carvalho. O ex-espião pedia igualmente que lhe fossem pagos todos os vencimentos porque tinha ficado "desempregado" e foi, então, que recorreu para os tribunais.

“Em 7 de dezembro de 2012, o ora recorrido mostrou disponibilidade para retomar o exercício de funções na administração pública”, como se lê no acórdão citado.

Em 2012, quando Jorge Silva Carvalho, saiu da empresa Ongoing, fez-se valer de um direito que está estipulado na lei para todos os espiões que deixam os serviços e requereu ao Estado a sua colocação na Secretaria-Geral da Presidência do Conselho de Ministros (PCM), uma vaga que, segundo o DN recorda, foi criada por despacho em 2013.