Este ano registaram-se 67 ataques a caixas multibanco, mas a maioria acabou por se revelar um fracasso: apenas 16 foram bem-sucedidos para os assaltantes, revelou à Lusa a sociedade gestora da rede Multibanco (SIBS).

Na madrugada de sábado, uma violenta explosão destruiu uma caixa Multibanco numa bomba de gasolina em Foros da Amora, no Seixal. Os assaltantes terão usado uma botija de gás para roubar o dinheiro mas acabaram por destruir o posto de combustível e provocar danos em várias casas das imediações.

Este foi o 67.º ataque registado este ano, segundo dados avançados à agência Lusa pela SIBS, que sublinha que 51 destes crimes não tiveram sucesso.

Comparando os dados de 2013 com os dois últimos anos, «houve uma redução significativa no número de ataques e constata-se que a maioria dos ataques realizados não teve sucesso», observa a empresa.

No ano passado, o número de assaltos foi três vezes superior: 222 ataques, com apenas 65 operações «bem-sucedidas» para os criminosos.

Já em 2011, foram atacadas 167 caixas e 68 ataques tiveram sucesso.

O SIBS justifica o insucesso deste tipo de crime às «medidas de prevenção adotadas, assim como à colaboração e atuação das entidades policiais».

Entre os instrumentos de segurança para proteger a rede multibanco encontra-se o sistema eletrónico que mancha as notas com tinta em caso de tentativa de roubo.

A SIBS garante que este sistema está «sempre operacional», mesmo quando as máquinas estão desligadas ou sem energia, «reage instantaneamente em caso de ataque».

Além disso, as máquinas estão fixadas ao solo de forma a dificultar ou impedir o furto integral do equipamento através de arrancamento.

Já quanto a detalhes sobre os métodos de proteção, a SIBS lembra que «são confidenciais, já que a sua divulgação compromete a respetiva segurança dos equipamentos».