Um estudo internacional liderado por um investigador da Universidade de Coimbra (UC) revela que «a exposição a poluentes presentes no ambiente, mesmo em pequenas concentrações, tem impacto direto na reprodução masculina», revelou esta terça-feira a instituição, citada pela Lusa.

A investigação, coordenada por João Ramalho-Santos e desenvolvida pela doutoranda Renata Tavares, do Centro de Neurociências e Biologia Celular da UC, reproduziu, «pela primeira vez», em laboratório, «o que se passa na natureza, expondo espermatozoides humanos a concentrações de um pesticida iguais às encontradas no ambiente».

A equipa de investigadores, que integra também especialistas das universidades de Dundee, na Escócia, e de Birmingham, na Inglaterra, recorreu ao DDT (Dicloro-Difenil-Tricloroetano), pesticida que, apesar de estar proibido, continua a ser usado em «zonas endémicas de malária», refere uma nota da UC.