A Associação de Agricultores do Distrito de Setúbal (AADS) anunciou esta que vai pedir ajuda ao Governo para fazer face aos prejuízos na produção de tomate numa área de 30 hectares, que está «praticamente perdida devido ao mau tempo». Inicialmente, a informação dava conta que 90% da produção estava perdida.

«Ainda hoje vamos formalizar o pedido de reunião com a ministra da Agricultura, para que sejam encontradas medidas de compensação que nos permitam fazer face aos prejuízos, porque 90% da produção de 30 hectares de tomate nos concelhos do Montijo e de Palmela está praticamente perdida, o que representa uma quebra de 15 a 20% na região de Setúbal», disse à agência Lusa Avelino Antunes, assessor da AADS.

«Há dezenas de toneladas de tomate em terrenos onde os produtores nem sequer conseguem entrar para fazer a apanha. E esse tomate vai apodrecer rapidamente», acrescentou.

Segundo Avelino Antunes, os prejuízos provocados pelo mau tempo afetam produtores dos dois concelhos (Montijo e Palmela), que ao longo dos últimos 20 anos têm resistido aos sucessivos aumentos dos custos de produção.

«Os custos de produção aumentaram muito, mas o preço do tomate no produtor é hoje igual ao que era há 20 anos. Não é por acaso que hoje restam apenas cerca de 30 dos 500 produtores de tomate que havia na região há cerca de 20 anos», disse.

Avelino Antunes assegurou ainda que os seguros não dão resposta às necessidades dos produtores, porque «apresentam preços incomportáveis e não cobrem grande parte dos riscos da agricultura».

A AADS promete fazer chegar ainda hoje ao Ministério da Agricultura um pedido de reunião para reclamar medidas compensatórias que permitam fazer face aos prejuízos provocados pelo mau tempo.

«Não nos venham com a desculpa de que não há dinheiro, porque, como todos sabemos, se se tratasse de uma indemnização para o setor financeiro apareciam logo todos os milhões e mais alguns», disse.