No verão passado as praias da Arrábida, em Setúbal, foram visitadas por javalis e, apesar de este ano ainda não terem sido avistados, as autoridades querem evitar o acesso deste animal selvagem às praias.

O plano de ação definido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas  (ICNF) e pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) pretende reduzir os danos causados pelos javalis e os riscos no contacto com a população, escreve esta quinta-feira o Jornal de Notícias.

As medidas passam por colocar placards com informação útil para os banhistas no caso de os javalis aparecerem, nomeadamente como as pessoas devem proceder, e a colocação de caixotes do lixo a que os animais não tenham acesso, para evitar que se sintam atraídos pela comida.

Nos últimos anos, grupos de javalis foram vistos a passear nas praias do Portinho da Arrábida e de Galapinhos. 

Apesar de não haver registo de incidentes com banhistas, o ICNF lembra, contudo, que o javali é um animal selvagem, cujo comportamento é imprevisível.

Segundo o JN, nos últimos quatros anos foram abatidos, naquela área, mais de 1.600 javalis, como forma de controlar a espécie, por caçadores e moradores que viram as suas explorações agrícolas destruídas.

Na zona onde a caça é proibida, as autoridades têm capturado os animais vivos através de armadilhas.