Um homem que matou a ex-mulher em novembro de 2015, em Valongo, distrito do Porto, foi hoje condenado a 16 anos e meio de prisão.

Considerando provado que o homem matou a ex-companheira com três pancadas na cabeça, usando um pau de madeira, o coletivo de juízes do Tribunal São João Novo, no Porto, condenou ainda o homicida a pagar uma indemnização de 110 mil euros aos três filhos da vítima mortal, fruto de um casamento anterior.

A 4 de novembro de 2015, o homem, de 42 anos, escondeu-se numa caixa de água situada junto à casa da ex-mulher de 56 anos, de quem estava separado havia quatro meses, e esperou que ela saísse para a agredir na cabeça com um pau. A mulher caiu inanimada, e o homicida arrastou-a para dentro de casa, onde viria a ser encontrada sem vida três dias depois.

Diz o processo que, após a separação, o homem vigiava “constantemente” as movimentações da ex-companheira, telefonava-lhe para se reconciliar e, perante a sua recusa, ameaçava-a de morte.

“Agiu movido por ciúmes e, não sabendo lidar com a rejeição, atuou com o propósito de lhe tirar a vida”, disse a magistrada. E acrescentou: “sabia que ao dar-lhe três pancadas a ia matar”.

A presidente do coletivo de juízes salientou que o homicida atuou de surpresa e numa altura em que a ex-mulher estava desprotegida e sem possibilidades de se defender.

Além disso, a magistrada frisou que o homem abandonou a vítima mortal sem lhe prestar assistência, mostrando “insensibilidade e indiferença” à vida humana.

À saída do tribunal, o advogado da família, Nuno Barros, considerou a decisão judicial “justa e ponderada”.

“A indemnização pedida foi concedida na íntegra, logo fez-se justiça”, realçou.