O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou hoje que o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra deduziu acusação a 20 cidadãos, nacionais e estrangeiros, por tráfico de pessoas e associação criminosa.

Em comunicado, o SEF explica que a acusação resultou de uma investigação conduzida entre 2010 e 2013, que culminou numa operação que levou ao desmantelamento do grupo, detenção de um dos principais elementos da organização, encerramento de um dos estabelecimentos explorados e apreensão de várias viaturas utilizadas para as práticas dos crimes, algumas de alta cilindrada.
 

"Os vinte arguidos são acusados de terem, no total, praticado mais de cem crimes de tráfico de pessoas, sendo-lhes ainda imputada a prática de crimes de auxílio à imigração ilegal e lenocínio", refere a nota de imprensa.


O grupo era liderado por um cidadão de nacionalidade portuguesa, que durante cerca de uma década angariou mulheres estrangeiras, maioritariamente da América do Sul, mas também da Europa do Leste, colocando-as em Portugal (região Centro) e Espanha na prostituição, através de coação, ameaça e agressões físicas.

Segundo o SEF, as mulheres eram, geralmente, recrutadas através de anúncios de imprensa, "sendo contratadas como bailarinas para desempenho de atividade em território nacional e aliciadas com contrapartidas monetárias".
 

"Avaliadas por colaboradores do grupo nos países de origem, em função da apresentação física e de baixos níveis de escolaridade e situação económico-social, eram depois transportadas para Espanha, diretamente para um estabelecimento de prostituição explorado pela organização naquele país, onde eram desapossadas dos documentos de identificação e viagem", refere o comunicado.