Quem vê do Porto não imagina que o Douro está assim na Serra do Urbión, na província espanhola de Sória, onde nasce.

O vídeo datado de 1 de novembro mostra uma superfície sem uma gota de água. Um cenário há muito não visto pelos locais nesta altura do ano, que nem conseguem contabilizar a última vez que a seca atingiu assim um dos símbolos hídricos da Península Ibérica, particularmente de Portugal, onde desagua na sua plenitude.

Em menos de um minuto, é possível ver um curso sem água, apenas com pedras e gravilha, tudo seco, por causa da seca.

Entre os 1.800 e os 2.150 metros de altitude, o rio Douro está seco em mais de 60% do seu curso.

Em Duruelo de la Sierra, a primeira terra que se atravessa no Douro, que nasce a 2.150 metros de altitude, nem os mais velhos se recordam de uma seca tão severa, disse o autarca Alberto Abad à agência EFE, no domingo.

O vídeo foi filmado por Agustín Sandoval, que segue de perto a meteorologia na região, divulgando as imagens na sua conta no Twitter.

Nunca vi o Douro assim em novembro, nem a maioria dos residentes. É incrível para os primeiros dias do mês. Não sei se já tinha acontecido antes, mas eu nunca ouvi falar desta situação”, contou.

Há 45 dias que praticamente não chove e a pouca neve que caiu no último inverno, associada às altas temperaturas de outono (também) nos vales de Urbión, estão na origem da aspereza da paisagem.

E não se preveem temporais de oeste a médio prazo”, alertou Sandoval.