Cerca de 9% do país está em seca extrema e 77% em seca severa, segundo dados preliminares do Instituto Português do Mar e da Atmosfera avançados à TVI24.

Há ainda 10% do território em seca moderada e 4% em seca fraca. As regiões mais preocupantes são o Alentejo interior e o sotavento algarvio.

Segundo Vanda Pires, especialista em seca do IPMA, a situação em fevereiro "não está assim tão diferente" em relação a outros anos, mas "o problema" é que a seca severa "se mantém desde junho". "E isto não é assim tão normal, já tivemos períodos de seca, mas esta é uma seca muito prolongada no tempo", disse, à TVI24.

Como os meses de março e abril são, normalmente, chuvosos, a situação deve melhorar brevemente, mas poderá não ser o suficiente.

"A partir da próxima semana, chegará a precipitação. Ainda não temos certezas de quantidades, mas, para a situação de seca terminar, idealmente, é preciso que chova todos os dias em março e abril."

O IPMA prevê que a chuva regresse já na próxima segunda-feira.

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal disse esta quarta-feira que quer um plano de emergência nacional devido à atual situação de seca e, em resposta, o Governo destaca as várias medidas que já foram adotadas.

A seca fez com que o INE lançasse o alerta de que a campanha de cereais vai ter em 2018, pelo quinto ano consecutivo, uma diminuição de área instalada, prevendo-se "a pior dos últimos 100 anos".