Vinte genéricos do medicamento mais famoso contra a disfunção erétil estão no mercado desde que, há um ano, o Viagra perdeu a patente, tendo-se registado, desde então, um aumento significativo da venda deste fármaco.

De acordo com o organismo que regula o setor do medicamento em Portugal, existem neste momento 51 medicamentos genéricos com Autorização de Introdução no Mercado (AIM) contendo a substância ativa Sildenafil, mas nem todos estão à venda.

Destes 51 medicamentos, iniciaram comercialização 20 genéricos do Sildenafil, a substância ativa do Viagra, que perdeu a patente no dia 14 de janeiro do ano passado.

Após esta perda de patente, a venda do Sildenafil aumentou significativamente: 115.430 embalagens vendidas em 2013 e 210.549 nos primeiros três trimestres deste ano.

Em termos de valor, os portugueses deixaram nas farmácias 4.890.743 euros em 2013 e 5.334.325 entre janeiro e setembro de 2014.

O Viagra começou a ser vendido em Portugal em 1998 e, desde então, tem sido um dos mais «copiados» em todo o mundo.

A venda ilegal deste fármaco, ou de outros que se fazem passar por este, tem preocupado as autoridades.

Segundo o Infarmed, graças à colaboração diária entre este organismo do Ministério da Saúde, a Autoridade Tributária e Aduaneira e os serviços de alfândegas têm sido apreendidos, para distribuição, medicamentos importados diretamente de países terceiros.

Em 2014, foram detetadas e apreendidas para destruição (nas alfândegas e no seguimento de parecer do Infarmed) 15.232 unidades de medicamentos contendo na sua composição a substância ativa Sildenafil.

Entre estes encontram-se produtos que «recorrem a 'alcunhas' como 'o comprimido azul', Nizagara, Kamagra, Vigour, entre outros, e também medicamentos 'que se fazem passar por Viagra', ou seja, suspeitos de falsificação».