Está a aumentar o número de portugueses que sofre de refluxo gástrico. “Este é um problema frequente, que afeta entre 15 a 20% dos portugueses e que causa incómodo”, afirma Rui Palma, gastroenterologista. O especialista esteve esta quarta-feira no programa Diário da Manhã, na TVI, e falou sobre a doença.

O mal-estar após as refeições, as dores de estômago e o ardor no esófago são sintomas.
 

“É uma doença com vários fatores, mas que resulta da passagem inadequada do conteúdo do estomago para o esófago e pode dar sintomas como a azia, regurgitação, a sensação de ácido na boca ou muita saliva”, explica Rui Palma.


Mas além destes sintomas, “o refluxo também pode originar lesões, mais ao menos graves, das quais a mais importante pode ser a esofagite”, acrescenta o especialista.

Apesar de alguns alimentos poderem “potenciar” os sintomas, “o mais importante é o efeito do álcool e do tabaco”. 


O clínico diz mesmo que “poucos alimentos estão claramente demonstrados como agravando a doença” mas, alerta para alimentos “ricos em gordura”. Na sua opinião, mais importante que a comida é “o volume de alimentos” e aconselho a nunca nos deitarmos “após comer” e a “não fazer à noite refeições copiosas”.

Para quem sofre deste problema já existem fármacos potentes “que se baseiam na inibição do ácido” e podem ajudar no seu controlo.