Um recluso em greve de fome há 33 dias, em Paços de Ferreira, está num estado de saúde «deplorável», denuncia hoje uma associação, mas os serviços prisionais alegam que situação é «melhor do que seria suscetível».

Vítor Ilharco, dirigente da Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso, explicou à Lusa que o recluso quer ser transferido para um estabelecimento prisional mais próximo da área de residência para poder ser visitado pelos seus familiares.

«Estamos preocupados com a saúde do recluso, que está muito magro e isolado numa cela a seu pedido», afirmou o dirigente.

Numa nota enviada hoje à agência Lusa, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais confirmou que o recluso se encontra em greve de fome, mas observou que, «até à presente data, a sua situação clínica é melhor do que seria suscetível de esperar para quem se encontra em greve de fome».

De acordo com o esclarecimento da direção-geral, o recluso está «a ser objeto de acompanhamento pelos serviços clínicos do Estabelecimento Prisional».

«Como sempre sucede em situações similares, caso o acompanhamento clínico considere que a evolução do estado de saúde, de qualquer pessoa em greve de fome, é suscetível de justificar o seu internamento em unidade de saúde exterior», acrescenta-se na nota enviada à agência Lusa.

Contudo, para o representante dos reclusos, a situação em que se encontra o detido em Paços de Ferreira «viola a legislação», a qual, frisou, «garante aos reclusos o direito de estarem no estabelecimento prisional mais próximo da sua residência».

Vítor Ilharco anunciou que, por isso, o caso foi comunicado, na segunda-feira, à Provedoria de Justiça, «na expectativa de que se possa encontrar uma saída para o problema».

Os serviços prisionais confirmam, por seu turno, que «a Provedoria de Justiça vem a acompanhar o caso, semanalmente, sem que, até ao presente, tenha feito qualquer recomendação ou indicação».

A direção-geral admite que «o recluso encontra-se em greve de fome por pretender ser transferido para outro estabelecimento prisional».

De acordo com aquele esclarecimento, «o recluso encontra-se no Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, a seu pedido, desde maio do corrente ano».