Vários elementos da PJ efetuaram esta quarta-feira buscas, em locais distintos do país, no âmbito da investigação do Ministério Público sobre burla e falsificação de documentos no Serviço Nacional de Saúde (SNS), disse à Lusa fonte ligada ao processo.

A fonte confirmou a dimensão nacional da operação, mas não quis precisar os locais alvo de buscas, nem se já foram efetuadas quaisquer detenções.

A informação sobre a realização das buscas foi avançada pelo «Diário de Notícias», que indica a participação de dezenas de inspetores da Unidade Nacional Contra a Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária.

Em julho do ano passado, três médicos, dois farmacêuticos, um delegado de informação médica e um empresário ligado ao armazenamento de medicamentos foram detidos Polícia Judiciária no decurso de uma investigação a fraudes no SNS que motivou 24 buscas na área da Grande Lisboa e região centro e norte do país.

A actividade delituosa dos detidos prendia-se com a «falsificação de receituário médico» e as contrapartidas oferecidas aos médicos e em causa estavam crimes de corrupção passiva para acto ilícito e burla qualificada (de elevado valor) ao SNS, entre outros ilícitos.

A investigação a fraudes no SNS tem sido feita pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) em estreita colaboração com o Ministério da Saúde, no âmbito de um inquérito em curso no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).

O ministro da Saúde, Paulo Mecedo, já declarou que as fraudes no SNS que estão a ser investigadas podem ultrapassar os 100 milhões de euros.