Os jovens portugueses estão a iniciar a vida sexual cada vez mais cedo. Um estudo sobre comportamentos de saúde em idade escolar revela que os jovens portugueses perdem a virgindade, em média, entre os 14 e os 15 anos. Na mesma idade surge o contacto com as drogas e a grande maioria dos adolescentes admitiu ter tido contacto com tabaco e álcool com apenas 13 anos.

Estes são os resultados do inquérito realizado em 2014 pela Organização Mundial de Saúde que incluiu 44 países.

Em Portugal, a média para o início da atividade sexual é apenas 14 anos. O estudo revela que as raparigas estão em maioria, mas que 12,1% dos rapazes tiveram a primeira relação sexual aos 11 anos.

“Existe demasiada informação e não existe maturidade das crianças e dos jovens para ir acompanhando esta situação”, afirmou a psicóloga Sílvia Botelho, em entrevista à TVI. “É prejudicial para os jovens que começam muito cedo, sem terem maturidade, nem sensibilidade, nem afetos”.


Em relação à sexualidade há ainda outros dados supreendentes: apesar de maioria dos adolescentes ter dito que usou preservativo na primeira relação sexual, 21,6% admitiu não ter recorrido a qualquer contracetivo.

Para além disto, 13 anos é a idade em que os jovens portugueses começam a ter contacto com o tabaco e o álcool. Com 14 anos apenas surgem os primeiros conhecimentos sobre as drogas.

A idade precoce para as crianças assumirem estes comportamentos de risco são, para a psicóloga, o produto de “uma certa competitividade”, pois, “para ser aceites no grupo”, os jovens tendem a imitar o comportamento dos outros.

“Muitos querem experimentar porque o outro experimentou e acabam por querer sempre fazê-lo mais cedo. Os pais também têm um papel muito importante para informar os filhos e dizer-lhes que para sermos bons não temos de ser iguais aos outros. Temos de ter confiança nas nossas competências e não ir atrás dos outros”.