Os hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo vão ter mais 169 camas para fazer face à gripe, anunciou esta quarta-feira a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT).

A reabertura de 169 camas é «uma medida que permitirá aos serviços da região dar resposta ao aumento da procura que se tem registado», afirma a ARSLVT em comunicada.

A medida insere-se no Plano de Contingência de resposta à gripe. Já esta quarta-feira o ministro da Saúde, Paulo Macedo, tinha dito que «foi pedido a cada ARS (Administração Regional de Saúde) para que veja na sua área de influencia» que camas podem ser reabertas e, depois, que seja inventariada a capacidade de resposta em cada região.

Segundo um despacho do secretário de Estado Adjunto do ministro, Fernando Leal da Costa, de 9 de janeiro, assinado um dia após uma reunião com as várias entidades com intervenção na resposta à afluência aos serviços de urgência, «todos os hospitais devem ter camas supletivas para internamento».

De acordo com o documento da ARSLVT foi o Hospital de Santarém o que reabriu mais camas, 53, seguindo-se as 41 do Hospital Fernando da Fonseca, e depois os Centros Hospitalares Lisboa Ocidental, Central e Norte com 20 camas cada. O Centro Hospitalar Lisboa Oeste tem mais nove camas e o Centro Hospitalar Barreiro/Montijo seis.