A reunião desta quinta-feira, entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e a ministra da Saúde, Ana Jorge, «correu mal», pelo que os enfermeiros mantêm o protesto marcado para o próximo dia 13, frente ao Ministério da Saúde.

Sindicado recusa contraproposta do Governo

«O Ministério continua a não ceder na existência de uma carreira para os enfermeiros, continua a defender a manutenção de uma carreira com duas categorias, como se houvesse dois níveis de enfermeiros e, por último, também não cede nas questões salariais», afirmou José Carlos Martins, dirigente do SEP, à Lusa, no final da reunião.

No fim do encontro, concluiu-se que até ao meio-dia de sexta-feira o Ministério da Saúde irá não só agendar uma nova reunião com os sindicatos, que decorrerá durante a próxima semana, mas também apresentar uma nova proposta, referiu o dirigente sindical.

«Da nossa parte, não há cedências: continuamos a exigir um diploma da carreira, regulamentado não só para os actuais enfermeiros, mas também para os futuros, com uma única categoria, e continuamos a exigir um salário ao nível de qualquer licenciado, porque os enfermeiros não são licenciados de segunda categoria», defendeu José Carlos Martins.

O dirigente do SEP disse ainda que os sindicatos vão manter-se à espera da nova proposta do Ministério da Saúde e de um acordo final.

«Caso a ministra da Saúde mantenha a mesma posição, haverá mais greves e manifestações para este mês de Março», garantiu José Carlos Martins, para quem a reunião desta quinta-feira «correu mal».

Os restantes três sindicatos de enfermeiros foram ouvidos por Ana Jorge, depois da reunião com o SEP. Segundo os seus representantes, os sindicatos partilham todos das mesmas ideias e princípios, estão em uníssono e sexta-feira provavelmente haverá uma reunião conjunta.